Oficinas do Projeto Biizu criarão piloto de podcast em Abaetetuba

Depois de Oriximiná, o Projeto Biizu chegou a Abaetetuba com as oficinas de rádio e mídias digitais, além do “Biizu Móvel”, trailer que leva atividades externas da Secretaria de Estado de Comunicação do Pará (Secom) aos bairros, como o cineclube, com a exibição gratuita de filmes de cunho educativo. As atividades, que duram o dia inteiro, iniciaram na manhã desta segunda-feira, 25, e serão encerradas na noite de sexta-feira, 29, no Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU). No encerramento será apresentado um piloto de podcast para benefício da comunidade, produzido de forma integrada pelos alunos das duas oficinas.

Podcast é uma forma de transmissão de arquivos multimídia na Internet. Nestes arquivos, as pessoas disponibilizam listas e seleções de músicas ou simplesmente falam e expõem suas opiniões sobre os mais diversos assuntos. Felipe Braun, um dos coordenadores do projeto, explicou que a integração das atividades “é fundamental para potencializar a interação entre os membros da comunidade, melhorar o senso crítico dos participantes sobre o espaço em que vivem e multiplicar o alcance da oficina e seus resultados em benefício das pessoas”.

O radialista e coordenador do Instituto Rosa dos Ventos, Paulo Sena, garante que as oficinas deixarão um legado positivo para Abaetetuba, por se comprometerem a ensinar a comunidade a expressar seu senso crítico sobre suas experiências sociais. “As oficinas darão poder às pessoas da comunidade. Além do podcast, vamos exibir o produto final da equipe de rádio em um programa meu para que essa audiência saiba que um canal para a comunidade foi criado. Com as mídias sociais aliadas a esse resultado, a expectativa é a melhor”, contou.

Dani Ferreira, instrutora da oficina de rádio, explica que a atividade é uma oportunidade para que os participantes aprendam as práticas básicas necessárias para utilizar o rádio como canal de expressão. “Esta é a terceira oficina de rádio do Biizu em Abaetetuba e a primeira de mídias sociais, agora, trabalhando integradas. Juntos, esses conhecimentos darão a chance de as pessoas expressarem o que é relevante para elas. Desta vez focamos na cultura local e em como podemos fortalecê-la com disseminação deste material”, falou.

Para o instrutor da oficina de gestão em mídias digitais, Sérgio Moraes, a internet é uma oportunidade para que a comunidade faça sua voz ser ouvida. “As mídias digitais possibilitam que os receptores de informação se tornem emissores, produtores de conteúdo, formadores de opinião. Agora, com o domínio de técnicas básicas de gestão de mídias sociais, isso é possível. O podcast e sua página serão importantes aliados da comunidade, já que eles poderão abordar os seus assuntos com a sua perspectiva a partir de canais próprios”, disse.

“As duas oficinas disponibilizadas pelo Biizu em Abaetetuba são excelentes. Elas nos trouxeram o conceito junto com a técnica e isso faz a diferença porque compreendemos o motivo da prática. No final do curso vamos ter ferramentas para nos inserirmos, nos expressarmos e, principalmente, ficarmos fortes como comunidade, disse a professora e atriz Ivanilda Rodrigues, aluna das duas oficinas oferecidas pelo Biizu.

À noite, o Biizu Móvel entrou em cena para um público de cerca de 30 pessoas, com filmes, curtas-metragens e animações, projetadas na parede de um dos prédios do CEU, criando um telão digno de cinema. Entre elas, o concentrado Klebert da Silva, de apenas cinco anos, que não escondia a satisfação. “Eu nunca vi algo assim. É legal porque é diferente do que vemos aqui. Gosto quando posso brincar desse jeito, então vou vir todos os dias”, responde com um saco de pipocas nas mãos, sorriso no rosto e olhar atento à tela.

Por Governo do Estado do Pará

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2018 Projeto Biizu. Todos os direitos reservados.
DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO REGIONAL E COMUNITÁRIA