Oficinas do Biizu alimentam sonhos durante os JEPs

Durante a etapa regional dos Jogos Estudantis Paraenses (JEPs), que encerram no próximo domingo (04), no município de Mocajuba, os alunos que não participam dos jogos se integram ao evento por meio das oficinas de texto, fotografia e audiovisual oferecidas pelo projeto Biizu, da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom), com o objetivo de democratizar a comunicação. As atividades estão sendo realizadas em todos os municípios-sede dos JEPs. Em Mocajuba, elas começaram na segunda-feira (29) e prosseguem até a sexta-feira (02).

Mais de 100 pessoas, a maioria estudantes, se inscreveram nas oficinas de fotografia, texto e audiovisual. As aulas são teóricas e práticas, colocando os alunos literalmente em ação durante os jogos, com câmeras à mão, microfones em punho e mil ideias na cabeça.

“Sou super tímido e nunca pensei que fosse capaz de elaborar e fazer tantas perguntas aos atletas durante os jogos. Essa oficina me fez ter a certeza de querer fazer jornalismo, porque agora eu sei que sou capaz”, disse Redivaldo Rocha, 14 anos, aluno da oficina de produção de texto.

José Rosivan Cardoso é popular em Mocajuba. Com o pseudônimo de “Wando”, ele é locutor da rádio comunitária local e desenvolve um projeto de comunicação junto aos alunos da Escola Almirante Barroso. “Essa oficina está sendo muito importante pra gente porque nos dá a chance de conhecer a rica experiência da capital. Além disso, estou percebendo um grande interesse da garotada na leitura e isso é muito gratificante”, contou o radialista.

“O nível da turma me surpreendeu. Esses adolescentes têm uma boa noção dos gêneros textuais e estão quebrando o estigma de que a educação no interior é precária”, disse o instrutor da oficina de texto, Tiago Martins.

Prevenção ao tráfico de adolescentes

Também durante os jogos, a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), por meio da Coordenadoria de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Trabalho Escravo, está presente nos municípios-sede das competições. O objetivo é disseminar atividades educativas e preventivas junto à comunidade esportiva para o enfrentamento ao tráfico de pessoas e ao trabalho escravo, dentro do projeto “Protegendo Sonhos”.

A ideia é disseminar entre os gestores dos clubes de futebol, alunos e familiares informações sobre o tráfico de pessoas e o trabalho escravo, para a compreensão e identificação deste tipo de crime e, consequentemente, seu enfrentamento.

Depois de Moju e Igarapé-Açu, primeiros municípios que sediaram os JEPs deste ano, a Sejudh marca presença em Mocajuba. Na última terça-feira (29), assistentes sociais do projeto “Protegendo Sonhos” conversaram com professores de Educação Física durante o congresso técnico dos jogos. Nesta quinta (1º) foi a vez de técnicos de educação do município receberem orientações para identificar a prática de aliciamento de menores. “Esse trabalho de prevenção é fundamental para estarmos atentos sobre todas as formas de aliciamento e sermos eficazes no enfrentamento desse problema, junto com os pais”, destacou a coordenadora da Secretaria Municipal de Educação de Mocajuba, Oscarina Oliveira.

Como o esporte é um ambiente no qual se verifica algumas situações de aliciamento, com propostas enganosas de contratar o jovem para jogar fora de sua cidade, os JEPs se tornam oportunos para desenvolver o projeto. “É essencial essa disseminação nos municípios para que a gente possa levantar dados e, a partir daí, investir no enfrentamento efetivo desse problema”, disse a assistente social Odilene Andrade.

Jogos – Nesta quinta-feira foram realizadas 15 partidas pelos Jogos Estudantis Paraenses: oito no futsal, quatro no handebol, dois no vôlei e um no basquete. No futsal feminino B, a equipe de Mocajuba venceu Cametá por 2×1 e se tornou a primeira equipe a garantir vaga para a seletiva estadual, em agosto.

Por Syanne Neno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2018 Projeto Biizu. Todos os direitos reservados.
DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO REGIONAL E COMUNITÁRIA